Google+ Followers

quarta-feira, 24 de abril de 2013

texto de divulgação científica



                                                    A borboleta e o caos
        Existe uma frase que ficou famosa na descrição das propriedades caóticas do clima: o bater das asas de uma borboleta na África pode causar chuvas no Paraguai. Pelo menos, essa é uma entre milhares de versões.
     O importante não é realmente onde está a borboleta ou onde vai chover, mas o fato que o minúsculo deslocamento de ar causado pelo bater de suas asas pode causar efeitos na atmosfera turbulentos o suficiente para serem sentidos a milhares de quilômetros de distância. Conheço poucos exemplos de “globalização” melhores do que esse. Quando o assunto é clima, o mundo é mesmo unido. A atmosfera não reconhece fronteiras.
        Por trás da estranha relação entre a borboleta e o clima está uma propriedade fundamental da física, a não-linearidade. Quando um sistema é linear, um estímulo é respondido na mesma intensidade, como no caso de uma criança empurrada em um balanço. Quanto mais forte o empurrão, mais alto ela vai (isso só é verdade para pequenos ângulos). Se o balanço fosse não-linear, um pequeno empurrão poderia catapultar a criança em órbita. Meio dramático, mas é verdade.
        O clima é regido por equações não-lineares. Isso explica por que é tão difícil prevê-lo, especialmente por muitos dias. Vários efeitos têm de ser computados, complicando as previsões.
        Essa limitação é o grande embate das simulações feitas em computadores para estudar o efeito estufa e suas consequências climáticas. Segundo a maioria absoluta dos modelos, o aumento da concentração de gases na atmosfera já está causando o seu aquecimento gradativo.
        A década de 1990 foi a mais quente dos últimos 150 anos. A política de ambiente norte-americana é lamentável, especialmente sabendo-se que em torno de 25% do gás carbônico do planeta é produzido lá. Talvez seja necessária uma catástrofe nacional para que as coisas mudem. Ela possivelmente já começou, ameaçando um dos símbolos ecológicos mais importantes dos EUA, a borboleta monarca.
        Levando em conta as maravilhosas borboletas que existem no Brasil – pelo menos as que conseguiram escapar dos pratos com tampo de vidro vendidos para turistas e exportados para o mundo inteiro (quando esse absurdo será proibido?) – a monarca nem é tão especial. O que a torna fascinante é o fato de ela ser uma espécie migratória.
        Centenas de milhões de borboletas escapam do inverno nos EUA indo para o México. A migração é dividida pelas montanhas Rochosas, a cordilheira que corta a América do Norte como uma espinha dorsal. As monarcas que vão para o México são as que estão do lado leste das Rochosas. As que estão do lado oeste vão para o sul da Califórnia.
        Ver milhares de borboletas voando é um espetáculo inesquecível. Às vezes, elas obscurecem o céu. É incrível imaginar que criaturas tão frágeis, pesando meio grama, sejam capazes de voar por milhares de quilômetros. Não só isso, elas sabem, todos os anos, exatamente para onde ir, sempre retornando aos mesmos lugares.
        Um ano significa quatro gerações de monarcas. De alguma forma, a tradição é transmitida de geração a geração. Na ausência de mapas, talvez as borboletas usem algum outro mecanismo de navegação. O biólogo Fred Urquhart sugeriu que elas seguem a difusão em direção ao sudoeste de sua comida favorita, o soro leitoso secretado por certas plantas, incluindo a soja. Ninguém sabe ao certo.
        Estudos climáticos mostram que o efeito estufa está ameaçando os nichos ecológicos mexicanos para onde migram as monarcas do leste. Modelos preveem que, se nada for feito para controlar a emissão de gases durante as próximas décadas, e se a temperatura global continuar a subir, instabilidades climáticas vão causar um aumento na precipitação (chuva e até neve) nessas regiões muito além da tolerância das frágeis borboletas.
        A situação piora ainda mais com o desflorestamento que já ocorre na região. Alguns especialistas acham que as borboletas vão encontrar outros lugares para passar o inverno, talvez mais ao sul, mas isso é apostar no desconhecido. Infelizmente, nós somos uma espécie que só sabe reagir quando não tem outra saída. Só espero que não sejam as pobres borboletas a pagar pela nossa estupidez.

                                                                                                    (Marcelo Gleiser, Folha de S. Paulo, 30/11/2003.)

01. É comum os textos de divulgação científica fazerem uso de conceitos e de terminologia científica básicos. Identifique no texto lido conceitos, palavras ou expressões próprios da ciência e as áreas científicas a que eles dizem respeito.

02. . O texto lido foi publicado num caderno de ciência de um jornal de grande circulação. Considerando a linguagem e a forma como o assunto foi conduzido pelo autor, conclua: O texto foi escrito para leitores que também são cientistas ou para um público amplo e heterogêneo com conhecimentos mínimos de ciência? Por quê?
 
03. Os textos de divulgação científica têm compromisso com a transmissão de saberes; portanto, trata-se de um gênero que reúne algumas das características dos gêneros que circulam na escola, como o texto didático e o verbete de enciclopédia. Identifique no 3º parágrafo do texto lido um trecho que tenha uma clara intenção didática.

04. A estrutura de um texto de divulgação científica não é rígida, pois depende do assunto e de outros fatores da situação de produção, como: quem produz o texto, para quem, com que finalidade, em que veículo, em que momento histórico, etc. Apesar disso, o autor geralmente apresenta no primeiro ou no segundo parágrafo a ideia principal (uma afirmação, um conceito), e desenvolve nos parágrafos seguintes, por meio de exemplos e comparações, resultados objetivos de experiência, dados estatísticos, relações de causa e efeito, etc.

a) Identifique no 2º parágrafo duas frases que sintetizam a ideia principal desenvolvida pelo texto.

b) A citação inicial de que “o bater das asas de uma borboleta na África pode causar chuvas no Paraguai” ilustra a ideia principal do texto? Por quê?
 
05. No 3º, no 4º e no 5º parágrafos, o autor procura explicar a complexa relação existente entre o efeito estufa e o clima. Segundo ele, o “clima é regido por equações não-lineares”. Com base nas informações veiculadas pelo texto, conclua:
a) O que é efeito estufa?

b) Por que a não-linearidade do clima dificulta os estudos sobre o efeito estufa?

06. A partir do 6º parágrafo, o autor usa o exemplo das borboletas monarcas para ilustrar a ideia principal do texto.
a) Que comportamento das borboletas ocorre todos os anos?

b) Que consequências do efeito estuda, produzido em grande parte pela emissão do gás carbônico nos Estados Unidos, pode afetar o comportamento das borboletas monarcas?

c) ) Esse fato ilustra as frases “Quando o assunto é clima, o mundo é mesmo unido. A atmosfera não conhece fronteiras” e o “bater das asas de uma borboleta na África pode causar chuvas no Paraguai”? Justifique sua resposta

07. Apesar de a finalidade principal dos textos de divulgação ser a transmissão de um conhecimento científico, às vezes o autor pode defender um ponto de vista. O último e o penúltimo parágrafos do texto lido, por exemplo, embora ainda tratem das borboletas monarcas, retomam o tema central e apresentam um posicionamento claro do autor sobre o problema do meio ambiente.
a) Que frases do último parágrafo resumem esse posicionamento?

08. Nos textos de divulgação científica geralmente predomina a impessoalidade, isto é, o autor aborda o tema sem fazer referências diretas a si mesmo, o que o leva a evitar o uso de formas linguísticas e gramaticais como eu acho, na minha opinião, etc. Na prática, porém, nem sempre isso acontece.
a) Identifique, no texto lido, uma marca linguística que evidencia gramaticalmente a pessoa do autor.

b) Identifique situações que evidenciam um posicionamento pessoal do autor diante do tema abordado.

c) O posicionamento do autor revela uma intenção da parte dele. Qual é essa intenção?

09. De acordo com a estrutura do texto apresentado, ele pode ser classificado como um
(a) resumo.
(b) conto fantástico.
(c) relatório de experiências.
(d) texto de divulgação científica.
(e) relato de experiência pessoal.

10. Com base no texto do lido, informe o que expressa a finalidade desse gênero textual.
a) Transmitir conhecimentos; expor um conteúdo de natureza científica.
b) Descrever ações; ensinar como se faz alguma coisa.
c) Narrar uma história ficcional.
d) Relatar experiências pessoais.

11. O texto se inicia com uma citação a respeito de borboletas e de certo ponto em diante passa
a tratar das borboletas americanas conhecidas como monarcas. Contudo, o assunto central do
texto é:
(a) os problemas causados pela globalização.
(b) a explicação da propriedade da não-linearidade.
(c) a comparação entre as maravilhosas borboletas que existem no Brasil e as monarcas.
(d) a relação existente entre o bater das asas de uma borboleta na África poder causar chuva no
Paraguai.
(e) o efeito estufa e as alterações do clima como resultados do desequilíbrio no meio ambiente.

12. Considerando a linguagem do texto, assinale a opção INCORRETA.

(a) Foi empregada a variedade padrão da língua, porém sem excessos de formalidade.
(b) Foram empregadas formas verbais predominantemente no Presente do Indicativo.
(c) A linguagem empregada é compatível com o nível cultural dos leitores do jornal e com a
natureza do assunto tratado.
(d) No texto, predomina a impessoalidade, sem marcas linguísticas que evidenciam
gramaticalmente a pessoa do autor.
(e) O texto apresenta conceitos, palavras ou expressões próprios a algumas áreas científicas,
como, por exemplo, física, química e biologia.

13. Assinale a opção em que o trecho apresente uma clara intenção didática.

(a) “Estudos climáticos mostram que o efeito estufa está ameaçando os nichos ecológicos
mexicanos para onde migram as monarcas do leste.”
(b) “O clima é regido por equações não-lineares. Isso explica por que é tão difícil prevê-lo,
especialmente por muitos dias. Vários efeitos têm de ser computados, complicando as
previsões.”
(c) “... como no caso de uma criança empurrada em um balanço. Quanto mais forte o empurrão,
mais alto ela vai (isso só é verdade para pequenos ângulos). Se o balanço fosse não-linear,
um pequeno empurrão poderia catapultar a criança em órbita.”
(d) “Um ano significa quatro gerações de monarcas. De alguma forma, a tradição é transmitida de
geração a geração. Na ausência de mapas, talvez as borboletas usem algum outro
mecanismo de navegação.”
(e) “A situação piora ainda mais com o desflorestamento que já ocorre na região. Alguns
especialistas acham que as borboletas vão encontrar outros lugares para passar o inverno,
talvez mais ao sul, mas isso é apostar no desconhecido.”

14. Assinale a opção em que o comentário tenha sido feito corretamente.

(A) Em “Quanto mais forte o empurrão, mais alto ela vai ...”, o pronome destacado refere-se à
borboleta.
(B) O pronome destacado em “Ela possivelmente já começou, ...” retoma a expressão “uma
catástrofe nacional”.
(C) O pronome destacado em “Isso explica por que é tão difícil prevê-lo, ...” faz referência a algo
que ainda será apresentado no texto.
(D) Em “A situação piora ainda mais com o desflorestamento que já ocorre na região.”, o termo
destacado faz referência ao Brasil.
(E) O termo destacado em “... a emissão de gases durante as próximas décadas, ...” diz respeito
ao período que vai de 1990 a 2010.

15. Em “O biólogo Fred Urquhart sugeriu que elas seguem a difusão em direção ao sudoeste de
sua comida favorita, ...”, pode-se afirmar que foi empregado o discurso
(A) direto.
(B) indireto.
(C) indireto livre.
(D) direto, com marcas do indireto.
(E) indireto, com marcas do direto.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.