Google+ Followers

sábado, 30 de março de 2013

Quando usar a vírgula antes do "e" ?

A conjunção “e” pode ser encontrada de diversas formas: com vírgula antes ou depois e, mais frequentemente, sem vírgula. Tudo depende do caso.

Primeiro vamos ver as situações em que a vírgula NÃO é usada com a conjunção “e”.

1. Não se usa vírgula junto com a conjunção “e” quando ela coordena ou liga os elementos de uma enumeração, que pode ser formada por substantivos, pronomes, adjetivos, orações etc. O “e” justamente substitui a vírgula diante do último elemento da enumeração:

Exemplos:
Uma redação jornalística deve ser clara, objetiva, concisa e informativa.
O político não acredita que possa haver paz entre israelenses e palestinos.
Maria e Felipe estão casados há dez anos.
Esses produtos inovadores reduzem o colesterol, controlam a pressão arterial e tratam a depressão, entre outros efeitos.
Alexandre era uma aluno criativo e original, com seu estilo próprio e sua notável capacidade de interpretação e de crítica.

2. Agora, DEVE-SE usar a vírgula necessariamente antes ou depois da conjunção e na enumeração quando ali se coloca alguma intercalação. Neste caso, a vírgula não tem relação direta com o “e”; ela está lá para fechar ou abrir a intercalação.

Exemplos:
O Estado de São Paulo, através da Secretaria de Meio Ambiente, e a Fundesp firmaram convênio com vistas a formar pessoal.
João Silva, brasileiro, comerciante, residente na Rua X, e sua mulher, Nair Silva, brasileira, professora, requerem…
Só beberam água, que faz tanto bem à saúde, e, ao final da festa, um cafezinho.
Dividiu o bolo em fatias e, pela pressa das crianças, distribuiu-as rapidamente.

Dica!
Resumindo, é sempre bom usar o bom senso. Em vez de decorar se há vígula antes ou depois de alguma conjunção (e, mas, entretanto, porém, etc), examine o contexto em que a vírgula é usada. Por exemplo, as intercalações devem ser separadas por duas vírgulas, esteja ela antes ou depois do e, de modo a não se criar ambiguidade ou atropelamento da frase.
E, claro, nunca é demais lembrar que a VÍRGULA NUNCA DEVE SEPARAR SUJEITO E PREDICADO.

http://quemtemmedodeportugues.wordpress.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário